"Sítio onde está luz; lanterna, farol" - José Pedro Machado, Vocabulário Português de Origem Árabe

.posts recentes

. Flório José de Oliveira (...

. Refugiados - Setembro 201...

. Nome de fera

. A fala

. Barack Obama: a propósito...

. A riqueza

. O Alcorão: extractos de a...

. Controlo ou Controle?

. Constança Capdeville (19...

. Herança Musical Árabe

. A um retrato

. Bencatel

. Aldrabão

. João de Freitas Branco (1...

. Tudo que faço ou medito

. Bolero ...

. Liberdade de escolha vs M...

. Valores Ético-Políticos

. Princípios

. Mini Maratona 24-09-2006

. Mulher na Política

. Alkatiri

.arquivos

. Novembro 2016

. Setembro 2015

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Março 2006

Segunda-feira, 4 de Setembro de 2006

Mulher na Política

Um longo caminho tem sido percorrido nas sociedades democráticas da nossa época, em particular desde o início do século XX, para o reconhecimento dos direitos políticos às mulheres, desde o direito ao voto até ao exercício de cargos públicos elegíveis.

Também em Portugal, apesar do atraso imposto pelo regime do "Estado Novo" e pelo peso da tradição, que mantém a mulher afastada da gestão da "coisa pública" e da "representação política" por mandato dos seus concidadãos, a mulher tem vindo a afirmar de forma indelével a sua presença no campo da Política, mais pela qualidade do que pela quantidade.

Aqui como no resto da Europa não deixa de carregar com o peso da discriminação e da avaliação marcada por uma ideologia de suposta superioridade do género "oposto".

A este propósito publicou  o Diário de Notícias de 04.09.2006, um artigo de Joana Amaral Dias sob o título "Política imberbe", em que analisa e comenta algumas das coisas que se têm escrito relativamente a Ségolène Royale (possível candidata à presidência francesa),  a Michelle Bachelet (Presidente do Chile), e a Angela Merkel (chancelerina alemã).

E cito " Independentemente das opções políticas destas mulheres, o facto de existirem enquanto protagonistas de relevo representa uma mudança substancial. Mas a forma como são ainda tratadas e retratadas diz tudo sobre o muito que terá ainda que mudar."

Mudanças políticas e legislativas, por certo. Mudanças sociais, sim. Mas fundamentalmente mudanças culturais e ideológicas. É o que eu penso. Não, não é nenhuma campanha de alfabetização ou acção choque para prevenção do tabagismo que será preciso.

Bastará talvez uma análise química, tipo análise da "lágrima de preta".

Na verdade, tal como no caso da cor , no do género, a discriminação das pessoas, a negação teórica ou prática do exercício dos seus direitos, ou a menorização, a que pretexto for , das  suas capacidades com base  em falsas questões não só é injusta como resulta num prejuízo incomensurável para toda a sociedade que essas pessoas poderiam servir.


publicado por Tó Zé às 23:57
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds