"Sítio onde está luz; lanterna, farol" - José Pedro Machado, Vocabulário Português de Origem Árabe

.posts recentes

. Flório José de Oliveira (...

. Refugiados - Setembro 201...

. Nome de fera

. A fala

. Barack Obama: a propósito...

. A riqueza

. O Alcorão: extractos de a...

. Controlo ou Controle?

. Constança Capdeville (19...

. Herança Musical Árabe

. A um retrato

. Bencatel

. Aldrabão

. João de Freitas Branco (1...

. Tudo que faço ou medito

. Bolero ...

. Liberdade de escolha vs M...

. Valores Ético-Políticos

. Princípios

. Mini Maratona 24-09-2006

. Mulher na Política

. Alkatiri

.arquivos

. Novembro 2016

. Setembro 2015

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Março 2006

Domingo, 10 de Dezembro de 2006

Bolero ...

BOLERO DO CORONEL SENSÍVEL
QUE FEZ AMOR EM MONSANTO

Eu que me comovo
por tudo e por nada
deixei-te parada
na berma da estrada
usei o teu corpo
paguei o teu preço
esqueci o teu nome
limpei-me com o lenço
olhei-te a cintura
de pé no alcatrão
levantei-te as saias
deitei-te no banco
num bosque de faias
de mala na mão

nem sequer falaste
nem sequer beijaste
nem sequer gemeste
quinhentos escudos
foi o que disseste
tinhas quinze anos
dezasseis, dezassete
cheiravas a mato
à sopa dos pobres
a infância sem quarto
a suor a chiclete
saíste do carro
alisando a blusa
espiei da janela
rosto de aguarela
coxa em semifusa
soltei o travão
voltei para casa
de chaves na mão
sobrancelha em asa
disse: fiz serão
ao filho e à mulher
repeti a fruta
acabei a ceia
larguei o talher
estendi-me na cama
de ouvido à escuta
e perna cruzada
que de olhos em chama
só tinha na ideia
teu corpo parado
na berma da estrada
eu que me comovo
por tudo e por nada.

António Lobo Antunes,
in Letrinhas de Cantigas,
Publicações Dom Quixote,
1ª Edição, 2002, pp.32-33.
publicado por Tó Zé às 18:42
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Tó Zé a 1 de Abril de 2007 às 20:45
Nem santo nem lobo
eu que me comovo
por tudo e por nada
vi uma catraia
perdida na rua
só abandonada
vestida ia nua
já mulher-da-vida
não ouvi seus ais
ignorei sua dor
também o seu cheiro
não sei se tem pais
se é filha querida
se precisa de amor
ou apenas dinheiro
segui minha vida
de tudo alheado
ignorei seu fado
não mais a lembrei
até certo dia
ao ler um poema
ao som do Bolero
eu que me comovo
por tudo e por nada
pergunto a mim mesmo
se é isto que quero
eu que me comovo
ignoro o meu povo
nem santo nem lobo
De zenite a 3 de Abril de 2007 às 20:42

Boa malha! Gostei de ler.
Abraço.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds