"Sítio onde está luz; lanterna, farol" - José Pedro Machado, Vocabulário Português de Origem Árabe

.posts recentes

. Flório José de Oliveira (...

. Refugiados - Setembro 201...

. Nome de fera

. A fala

. Barack Obama: a propósito...

. A riqueza

. O Alcorão: extractos de a...

. Controlo ou Controle?

. Constança Capdeville (19...

. Herança Musical Árabe

. A um retrato

. Bencatel

. Aldrabão

. João de Freitas Branco (1...

. Tudo que faço ou medito

. Bolero ...

. Liberdade de escolha vs M...

. Valores Ético-Políticos

. Princípios

. Mini Maratona 24-09-2006

. Mulher na Política

. Alkatiri

.arquivos

. Novembro 2016

. Setembro 2015

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Março 2006

Quarta-feira, 22 de Março de 2006

Conversa inútil

     "   Zotov continuava a ouvir a conversa dos outros: não contavam as coisas como se tinham passado, não haviam compreen­dido bem. Não soube resistir e levantou-se para ir explicar. Abriu a porta, parou à entrada e olhou todos, um após outro, fixando-os nos olhos.


        À direita, em frente da mesa, a pequena Valia trabalhava nas listas e nos gráficos de papel de várias cores.


        Encostado à janela, coberta também por uma cortina de papel azul, estava um banco vermelho sobre o qual se sen­tava Frosia, já não jovem, forte, com o ar impetuoso e viril das mulheres russas   habituadas a trabalhar de sol a sol. O im­permeável de encerado cinzento-verde, que usava quando estava de serviço, enchar­cado pela chuva, estava pendurado na parede, todo amarrotado, e ela, com as botas molhadas e um usado casaco negro, afinava o candeeiro de petróleo, que havia retirado na lanterna quadrangular.


        Na porta estava colado um daqueles cartazes cor-de-rosa que se viam por toda a parte em Kretchotovka: «Evitai o tifo vermelho!» O papel do cartaz era de um cor-de-rosa carregado, doentio, tal  como a exantema de um tifoso ou como as carcaças de ferro  queimado dos vagões atingidos pelo bombardeamento.


        Perto da porta, para não sujar o soalho, o velho Kordubailo  estava sentado no chão, um pouco voltado para a estufa e encostado à parede. Tinha ao seu lado  uma velha bolsa de pele com ferramentas  pesadas, colocada de modo a não impedir a passagem, e um par de  luvas impregna­das de nafta. O velho, via-se, sentara-se assim que  entrara sem sacudir a chuva e sem se despir: botas e impermeável  tinham formado pequenas poças sobre o pavimento. Por terra, entre  as pernas encolhidas, tinha uma lanterna apagada, como a da Tia  Frosia. Sob o impermeável o velho envergava uma túnica negra,  bastante suja, amarrada na cintura por uma cinta de fazenda castanha e  encardida. Havia atirado para trás o capuz: na cabeça, ainda coberta por longas madeixas, tra­zia, bem enterrado, um velhíssimo boné de  ferroviário. A pala cobria-lhe os olhos, a luz da lâmpada iluminava  apenas o nariz lívido e os grossos lábios com que Kordubailo  humedecia o cigarro, feito com papel de jornal, que estava a fumar. A sua barba eriçada conservava ainda alguns fios negros.


        - E que outra coisa podia fazer? - dizia Valia, tamborilando com o lápis sobre a mesa. - Estava de guarda, era uma sentinela!


        - Sim, é justo - anuiu o velho, deixando cair no chão e sobre a  tampa da lanterna a cinza do cigarro. É justo...
Todos querem comer.


        -
Porque dizes isso? - irritou-se a rapariga. - Todos, quem?


        - Tu e eu, e os outros – suspirou o velho.


        - És mesmo tonto, avô! Talvez es­tivessem com fome? Não lhes  dão as rações regulamentares? Que pensas? Que os fazem viajar sem  comer?


        - Sim, é justo - concordou o velho,
e do seu cigarro caiu  mais cinza em brasa, desta vez sobre um joelho e sobre a bainha da  túnica.


        - Tem cuidado, Gavrila Nikititch,  acabas por te queimar! -  avisou a Tia Frosia.


        O velho olhou com indiferença, sem sacudi-las, as pequenas  brasas que se apa­gavam sobre as suas calças acolchoadas, escuras e  encharcadas. Depois, levantou um pouco a cabeça de cabelos grisalhos sob o barrete.


        - Vocês, raparigas, já comeram por acaso farinha molhada,  diluída em água?


        - Porquê molhada? - admirou-se a Tia Frosia. - Quando está  diluída na água ponho-a a cozer no forno.


        O velho contraiu os grossos lábios pálidos e disse, após um  momento - as  palavras demoravam a sair-lhe da boca, como se  caminhassem de muletas levando muito tempo a chegar de onde  tinham nascido:


      -
Então não sabem o que é fome, minhas caras.


        O tenente Zotov entrou na sala e 
interveio:


        -
Ouve, avô, sabes o que é um juramento, não?


        Todos perceberam a irritação de Zotov.


        O avô voltou para o tenente os seus olhos turvos. Era de pequena  estatura, mas eram grandes e pesadas as suas botas  encharcadas e, aqui e ali, estavam manchadas de barro.


        - Claro - resmungou. - Eu próprio jurei cinco vezes.


        - Bem, e a quem prestaste juramento? Ao czar Nicolau?


          O velho abanou a cabeça.


        -
Antes desse.


       - Como? A Alexandre III?


           O velho franziu os lábios com ar cons­ternado e continuou a  fumar.


        -
Ah! Mas agora presta-se juramento ao povo. É um pouco  diferente, não é?


        O velho deixou cair mais cinza sobre o joelho.


       - E a farinha de quem é? Não é do povo? - disse Valia com  calor, ati­rando para trás os cabelos que lhe caíam alegremente sobre  a fronte. - Para quem a transportavam, a farinha? Para os  alemães, talvez?


        - Sim, é justo - concordou o velho. - Mas aqueles rapazes não eram alemães, também eram do nosso povo.


        Dobrou em duas a ponta do cigarro que tinha acabado de fumar e  esmagou-a contra a parte superior da lanterna.


        - Que velho cabeçudo! - exclamou Zotov. - Fazes alguma ideia  do que seja a legalidade? Que aconteceria se cada um roubasse o que lhe apetecesse, eu roubo, tu roubas... Venceríamos a guerra?


        - E porque rasgaram os sacos? - sal­tou Valia, indignada. - Que  maneiras eram aquelas? Aquilo é de gente nossa?


        Vê-se que estavam com fome­ observou Kordubailo limpando o  nariz com a mão.


        - E portam-se daquela maneira? Es­palhando a farinha por toda a  parte? Sobre as linhas?-protestou a Tia Frosia.-
A farinha dos sacos  que rasgaram ficou toda espalhada, camarada tenente! Quantas  crianças podiam ter sido alimentadas !


        -
Sim, é justo - disse o velho.­ Mas com esta chuva também o resto  deve ter ficado ensopado nos vagões descobertos.


        -
Não serve de nada falar com ele! - exclamou Zotov irritado, mais  consigo próprio do que com o velho, por se ter imiscuído numa  conversa inútil. Não façam tanto barulho! Não posso trabalhar!


        A Tia Frosia, que acabara de limpar a lanterna, fez lume e  acendeu-a.  Depois levantou-se e agarrou no seu impermeável endurecido e  amarrotado.


        
- Vamos, Valia, afia-me o lápis. Vou tomar nota dos números  do  setecentos e sessenta e cinco.


        Zotov voltou ao seu gabinete.  "



Aleksander Solkhenitzin

Extraído do conto  Na Estação de Kretchetovka, in a Casa de Matriona, Biblioteca ARCÁDIA de Bolso nº 26, Editora ARCÁDIA Limitada, 1964, pp.102-107.

tags:
publicado por Tó Zé às 22:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds