"Sítio onde está luz; lanterna, farol" - José Pedro Machado, Vocabulário Português de Origem Árabe

.posts recentes

. Flório José de Oliveira (...

. Refugiados - Setembro 201...

. Nome de fera

. A fala

. Barack Obama: a propósito...

. A riqueza

. O Alcorão: extractos de a...

. Controlo ou Controle?

. Constança Capdeville (19...

. Herança Musical Árabe

. A um retrato

. Bencatel

. Aldrabão

. João de Freitas Branco (1...

. Tudo que faço ou medito

. Bolero ...

. Liberdade de escolha vs M...

. Valores Ético-Políticos

. Princípios

. Mini Maratona 24-09-2006

. Mulher na Política

. Alkatiri

.arquivos

. Novembro 2016

. Setembro 2015

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Maio 2008

. Outubro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Março 2006

Sexta-feira, 24 de Março de 2006

Sophia

Cíclades
(evocando Fernando Pessoa)

A claridade frontal do lugar impõe-me a tua presença
O teu nome emerge como se aqui
O negativo que foste de ti se revelasse

Viveste no avesso

Viajante incessante do inverso

Isento de ti próprio

Viúvo de ti próprio

Em Lisboa cenário da vida

E eras o inquilino de um quarto alugado

[por cima de uma leitaria

O empregado competente de uma casa comercial

O frequentador irónico delicado e cortês

[dos cafés da Baixa

O visionário discreto dos cafés virados para o Tejo

 

(Onde ainda no mármore das mesas
Buscamos o rastro frio das tuas mãos

- O imperceptível dedilhar das tuas mãos)

 

 Esquartejado pelas fúrias do não-vivido

À margem de ti dos outros e da vida

Mantiveste em dia os teus cadernos todos

Com meticulosa exactidão desenhaste os mapas
Das múltiplas navegações da tua ausência –­

Aquilo que não foi nem foste ficou dito

Como ilha surgida a barlavento

Com prumos sondas astrolábios bússolas
Procedeste ao levantamento do desterro

 

Nasceste depois

E alguém gastara em si toda a verdade

O caminho da Índia já fora descoberto

Dos deuses só restava

O incerto perpassar

No murmúrio e no cheiro das paisagens

E tinhas muitos rostos
Para que não sendo ninguém dissesses tudo
Viajavas no avesso no inverso no adverso

Porém obstinada eu invoco - ó dividido -
O instante que te unisse
E celebro a tua chegada às ilhas onde jamais vieste
Estes são os arquipélagos que derivam

[ao longo do teu rosto
Estes são os rápidos golfinhos da tua alegria
Que os deuses não te deram nem quiseste
Este é o país onde a carne das estátuas

[como choupos estremece
Atravessada pelo respirar leve da luz

Aqui brilha o azul-respiração das coisas
Nas praias onde há um espelho voltado para o mar
Aqui o enigma que me interroga desde sempre
É mais nu e veemente e por isso te invoco:
«Porque foram quebrados os teus gestos?
Quem te cercou de muros e de abismos?
Quem derramou no chão os teus segredos?»


Invoco-te como se chegasses neste barco

E poisasses os teus pés nas ilhas

E a sua excessiva proximidade te invadisse
Como um rosto amado debruçado sobre ti

 

N o estio deste lugar chamo por ti

Que hibernaste a própria vida como o animal

                                             [na estação adversa

Que te quiseste distante como quem ante o quadro

                                             [pra melhor ver recua

E quiseste a distância que sofreste

 

Chamo por ti - reúno os destroços as ruínas

[os pedaços ­
Porque o mundo estalou como pedreira

E no chão rolam capitéis e braços

Colunas divididas estilhaços

E da ânfora resta o espalhamento de cacos

Perante os quais os deuses se tornam estrangeiros

 

Porém aqui as deusas cor de trigo

Erguem a longa harpa dos seus dedos

E encantam o sol azul onde te invoco

Onde invoco a palavra impessoal da tua ausência

 

Pudesse o instante da festa romper o teu luto

Ó viúvo de ti mesmo

E que ser e estar coincidissem

No um da boda

Como se o teu navio te esperasse em Thasos
Como se Penélope
Nos seus quartos altos
Entre seus cabelos te fiasse

 
1972

Sophia de Mello Breyner Andresen

 in Cem Poemas de Sophia, selecção e introdução de José Carlos de Vasconcelos, Visão e JL-Jornal de Letras, Artes e Ideias, Agosto de 2004, pp.89-92.

tags:
publicado por Tó Zé às 05:42
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds